Oxitocina – hormônio do amor – pode salvar crianças autistas

Oxitocina – hormônio do amor – pode salvar crianças autistas. A oxitocina, o chamado “hormônio do amor”, pode ajudar a melhorar as habilidades sociais em crianças autistas, garante um novo estudo desenvolvido na Austrália.

A oxitocina tem sido associada a laços sociais, como o vínculo pai-filho  e ao amor. O novo estudo incluiu 31 crianças, com idade entre 3 a 8, com autismo que receberam um spray nasal de oxitocina, duas vezes por dia, durante cinco semanas.

Os pesquisadores relatam que as crianças que receberam  o spray nasal mostraram melhorias significativas em problemas sociais, emocionais e comportamentais, em comparação com crianças que não usaram. Os efeitos colaterais mais comuns foram sede e prisão de ventre, disseram os pesquisadores.

Esse estudo é o primeiro a mostrar que um tratamento medicamentoso pode melhorar as habilidades sociais em crianças com autismo

.

O próximo passo, segundo os pesquisadores, é aprender com a oxitocina altera fiação do cérebro para alterar o comportamento social e como o tratamento com oxitocina pode ser usado como parte de terapia geral para crianças com autismo. Mas os especialistas foram cautelosamente otimistas sobre os resultados do estudo.

O uso da oxitocina como spray nasal traz muitos benefícios, mas a oxitocina não melhora todos os sintomas do autismo e deve ser utilizada em conjunto com outras terapias, mas é um grande passo.

Andrew Adesman, chefe de pediatria de desenvolvimento e comportamentais no centro médico de Cohen Children of New York, em New Hyde Park, disse que “esse estudo fornece a evidência mais forte de que a oxitocina pode levar a melhorias significativas a curto prazo na capacidade de resposta social nas crianças autistas.

Conselho aos pais: Espere um pouco.

“Embora os pais de crianças autistas possa  querer pedir ao seu médico para prescrever spray nasal de oxitocina para o seu filho, deve-se lembrar que algumas crianças não tolera esse tratamento e precisamos de muito mais informações sobre os benefícios e segurança a longo prazo antes que isso possa ser recomendado como uma abordagem de tratamento”, disse Adesman.

Fonte:

Responda esse comentario