Itaú Unibanco vai usar Ripple para o processamento de pagamentos

Itaú Unibanco vai usar  Ripple para o processamento de pagamentos.  O Ripple revelou que o Itaú Unibanco, maior banco da América Latina com base no mercado, usará o xCurrent para processar pagamentos transfronteiriços e remessas.

Adoção de Ripple:

A maioria dos principais bancos da Coreia do Sul e do Japão, liderada pela SBI Holdings, um dos principais bancos comerciais do Japão, estão utilizando a plataforma de liquidez xRapid da rede Ripple para reduzir os custos operacionais no processamento de pagamentos entre bancos e instituições.

Nos próximos meses, o Itaú Unibanco junto com um importante provedor de serviços de remessa de Singapura, InstaReM e o banco comercial indiano IndusInd utilizarão ativamente Ripple xCurrent para liquidar pagamentos entre prestadores de serviços financeiros internacionais.

A equipe Ripple observou que os fornecedores de serviços de remessa em grandes mercados de remessas, como o Brasil e o Canadá, começaram a utilizar o xVia, uma solução de pagamentos desenvolvida pela Ripple, para processar pagamentos na cadeia de blocos Ripple. A Beetech no Brasil e Zip Remit no Canadá visam processar os pagamentos na rede RIpple blockchain com prestadores de serviços de remessa na China, já que as empresas chinesas de remessa entraram na RippleNet em fevereiro.

Patrick Griffin, diretor de desenvolvimento de negócios do Grupo Ripple, enfatizou a necessidade de uma solução de bloqueio como Ripple nas indústrias globais de remessas e pagamentos, especialmente para empresas e consumidores em mercados emergentes. Griffin explicou que a tecnologia blockchain pode facilitar o processo para indivíduos que enviam dinheiro do exterior para seus países de origem, especificamente para trabalhadores expatriados e empresas internacionais.

O problema dos pagamentos é um problema global, mas seu impacto negativo afeta desproporcionalmente os mercados emergentes. Quer se trate de um professor nos EUA que envie dinheiro para casa a sua família no Brasil ou um pequeno empresário na Índia tentando enviar dinheiro para abrir uma segunda loja em outro país, é imperativo conectar as instituições financeiras do mundo a um sistema de pagamentos . Isso funciona para seus clientes, não contra eles “, disse Griffin.

Como a CCN informou em janeiro, a Ripple fez parceria com alguns dos maiores provedores de remessas do mundo, como o MoneyGram para processar pagamentos internacionais em sua rede de cadeias de blocos. Se a Ripple pode construir um ecossistema e uma comunidade de grandes fornecedores de serviços de remessa nas principais regiões, como os EUA e os mercados emergentes, os indivíduos poderão enviar e receber pagamentos pequenos e grandes através da cadeia de blocos Ripple, com custos reduzidos.

A chave é construir uma conexão entre os fornecedores de remessas para garantir que exista uma plataforma descentralizada e ponto-a-ponto com a qual as instituições possam enviar e receber dinheiro entre si.

Já RippleNet incluiu prestadores de serviços de remessa em larga escala em Singapura, China e outros países da Ásia. O InstaReM sozinho processa mais de 500.000 transações iniciadas por consumidores em mais de 60 países, incluindo Austrália, Canadá, Hong Kong, Cingapura e Índia.

2018 é um ano importante para o Grupo Ripple, e é um período em que terá que justificar as parcerias que criou em 2017 através do aumento dos volumes diários de transações e da atividade do usuário. Em 2017, Ripple foi criticado pela falta de volumes de transações provenientes de bancos que se associaram à Ripple Labs para processar transações.

fonte

Responda esse comentario