Cientistas suecos dizem que mel mata bactérias multirresistentes

Qualquer pessoa sabe que mel serve para amenizar os efeitos de resfriado e gripe, e ainda pode ser usado para combater feridas e infecções.

Mas agora, pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, conseguiram resultados surpreendentes no tratamento de bactérias resistentes, como MRSA (estafilococos amarelos) e VRE (Enterococcus). Eles dizem que o mel pode matar essas bactérias.

A razão pela qual o mel possui essas propriedades é que as abelhas têm bactérias de ácido lático no estômago e se o mel não for tratado termicamente, as bactérias ficam no mel.
As bactérias de ácido lático produzem diferentes substâncias antibióticas, dependendo de quais bactérias encontram. Portanto, são únicos na luta contra bactérias multirresistentes, como MRSA, dizem os pesquisadores.

Incorporação em hospitais:

No Reino Unido, eles já usaram mel no tratamento de pacientes. No Royal Hampshire Hospital, eles usaram mel para remover infecções durante operações cirúrgicas, de acordo com Hampshire Chronicle.
O uso do mel reduziu o risco de infecção em mulheres que realizaram cesariana e curaram feridas crônicas em pacientes. O mel também mostrou ter um bom efeito sobre o tratamento da acne.

Ambos cientistas e médicos acreditam que o mel natural pode reduzir o uso de antibióticos e que esta descoberta será de grande importância para os cuidados de saúde a nível mundial, à medida que mais bactérias se tornem resistentes aos antibióticos.

Medicina natural:

O mel que demonstrou ter efeito médico é produzido ecologicamente sem tratamento térmico. De acordo com pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, o mel tratado termicamente não tem o mesmo efeito porque mata a bactéria do ácido lático.

O mel usado para tratamento no hospital do Reino Unido é um mel esterilizado especial desenvolvido por uma fazenda orgânica no Chile.

Responda esse comentario